Hiperadrenocorticismo Canino

Características da doença

O Hiperadrenocorticismo resulta do aumento de cortisol (hormona) produzido nas glândulas adrenais. Existem duas formas de hiperadrenocorticismo: a mais comum, um tumor geralmente benigno, microscópico, na glândula pituitária (próximo da base do cérebro) que produz uma hormona em excesso (ACTH) que estimula as glândulas adrenais para a produção de cortisol. Esta forma da doença não pode ser curada mas normalmente pode ser tratada com sucesso com medicação (discutido mais abaixo). A forma mais rara da doença ocorre quando se forma um tumor em uma das glândulas adrenais que provoca um aumento na produção de cortisol. Este tumor pode ser benigno ou maligno. Porque só uma adrenal é afectada e o tumor pode ser maligno, o tratamento de escolha é a cirurgia para remoção da glândula afectada. Se o tumor é benigno, a cirurgia é também curativa.

Os sinais clínicos mais comuns do hiperadrenocorticismo incluem o aumento no consumo de água, aumento na frequência urinária, aumento do apetite, ganho de peso ou alteração na distribuição da gordura corporal, perda de pêlo ou fraqueza dos pêlos, e problemas de pele secundários. Um cão afectado pode apresentar um ou todos estes sintomas. Algumas alterações nas análises sanguíneas de rotina também podem causar suspeita de hiperadrenocorticismo. O diagnóstico é normalmente realizado pela execução de um ou dois testes específicos que avaliam como as glândulas adrenais respondem a uma injecção específica. Após o diagnóstico de hiperadrenocorticismo ser realizado, outros testes serão então necessários para determinar a origem da doença para recorrer ao tratamento determinado.


Opções de Tratamento e Cuidados em casa

Como mencionado anteriormente, a cirurgia é recomendada para cães com tumor na adrenal. Os tratamentos médicos também podem ser usados para controlar os tumores adrenais durante um certo tempo.

Com a forma mais comum de hiperadrenocorticismo, o tratamento médico é o recomendado. Três formas de medicação oral podem ser usados:
  • Lysodren (mitotano)®: o mais frequentemente usado para tratar hiperadrenocorticismo dependente da pituitária. Este medicamento destrói selectivamente as áreas da glândula adrenal que produzem cortisol. Este tratamento é composto por duas fases: uma fase de indução para controlar a doença e uma fase de manutenção.
  • Ketoconazole®: este medicamento também pode ser usado para tratar esta doença. Ao contrário do Lysodren, não destrói as adrenais, mas bloqueia a formação de cortisol nas adrenais. A vantagem é que o seu animal vai responder mais rapidamente ao tratamento e a qualquer mudança de dosagem; a desvantagem é que deverá ser administrado 2-3 vezes por dia para o resto da vida do animal. Este tratamento não tem uma fase de indução, inicialmente é administrada uma dose baixa para depois proceder-se a um aumento progressivo para o efeito desejado.
  • Vetoryl (trilostano)®: este novo medicamento também inibe a formação de cortisol, tendo a vantagem de ser administrado apenas uma vez por dia e a desvantagem de ter um custo mais elevado.

Todos os tratamentos terão que ter uma reavaliação periódica através de um teste de estimulação hormonal que será aconselhada pelo médico veterinário.

Por vezes enquanto está a fazer o tratamento, o seu cão pode demonstrar alguns sinais devido a baixas concentrações de cortisol (perda de apetite, vómitos, diarreia, letargia). Se vir estes sintomas, não dê mais nenhuma medicação e contacte o seu médico veterinário.